HONPAR - Hospital Norte do Paraná

Sábado - 27 de Novembro de 2021

QUASE 4 MIL PARANAENSES TIVERAM CÂNCER DE PRÓSTATA EM 2020

16 de Dezembro de 2020

Quase 4 mil paranaenses tiveram câncer de próstata em 2020

Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer apontam que entre os homens com câncer, 62% tiveram problemas na próstata.

 

O mês de novembro começou e com ele chega a campanha que alerta a população sobre o câncer de próstata. O Novembro Azul surgiu em 2003 em Melbourne, na Austrália, a partir da iniciativa de dois amigos, Travis Garone e Luke Slattery. Por aqui a campanha começou em 2008, trazida pelo Instituto Lado a Lado pela Vida em conjunto com a Sociedade Brasileira de Urologia.

Somente em 2020 já foram diagnosticados quase 66 mil casos da doença no Brasil, segundo balanço parcial divulgado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca). No Paraná já foram registrados 3.560 casos, sendo que 63% de cânceres diagnosticados em homens no estado, são de próstata.

O médico urologista do Hospital Norte Paranaense – HONPAR, Matheus Fernandes Cassistas, destaca que o câncer de próstata na maioria das vezes é silencioso, apresentando alguns sintomas como sangue na urina e em casos mais avançados a presença de dor. O médico explica que a melhor forma de rastrear a doença ainda continua sendo pelo toque, onde é possível observar anormalidades na próstata.

“O rastreamento anual é essencial para o diagnóstico precoce. Para a descoberta fazemos exames como a dosagem do PSA e o toque, que é um dos métodos usados. Após a suspeita é solicitada a biópsia de Próstata para confirmação do diagnóstico”, explicou.

O câncer de próstata é mais comum em pessoas com idade superior a 60 anos, mas os médicos indicam realizar os exames preventivos como o PSA e o toque a partir dos 50 anos. O tratamento da doença hoje é bem mais avançado registrando altos índices de cura.

“Hoje a técnica cirúrgica para remoção da próstata está muito bem estabelecida. Podemos indicar a radioterapia em casos selecionados. O aperfeiçoamento da técnica cirúrgica permitiu uma redução importante das complicações e sequelas”.

COMPARTILHE

Voltar